20.7.17

Os Jardins Botânicos e os Animais


Os Jardins Botânicos e os Animais

Há alguns dias estava no Jardim José do Canto, conhecido jardim botânico da nossa terra, quando tive a oportunidade de perguntar a uma visitante que estava acompanhada de duas crianças o que ela achava do mesmo.

A resposta foi positiva, isto é, tinha gostado muito de ver, sobretudo as rosas e as árvores de grande porte, como a árvore-da-borracha-australiana, o pinheiro-de-damara e as araucárias de diversas espécies Mas, a senhora em questão não se ficou por satisfazer a minha curiosidade, tendo, a seguir, perguntado se o jardim não tinha animais.

Depois de lhe ter respondido que não, dizendo-lhe que os jardins botânicos apresentam coleções de plantas, podendo servir para a conservação de algumas espécies e ter uma função educativa, não só para os jovens em idade escolar mas também para o público em geral.

Mais tarde, comecei a pensar melhor no assunto e fiquei sem saber o que pretendia a senhora. Seria mostrar às crianças animais fora do seu habitat, em cativeiro? Além disso, hoje, considero que não soube responder bem, pois devia ter esclarecido que no jardim existiam animais, sobretudo aves, mas em liberdade.

No caso do jardim em questão, para além de uma exposição ao ar livre de cartazes com algumas espécies da avifauna que lá vivem, como o pombo-torcaz, a alvéola, o tentilhão, o melro-negro, o santantoninho ou papinho, a toutinegra, etc., os visitantes poderão não só observá-las como também ouvir o seu canto.

Não posso culpar a senhora de nada, pois muitas vezes só vemos o que procuramos e só damos importância ao que conhecemos e nos ensinaram a valorizar.

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 18 de julho de 2017)

11.7.17

Memória: Em defesa das baleias

Burros do Canadá



Burros do Canadá

Nos últimos tempos, a comunicação social, nomeadamente o jornal Correio dos Açores, tem trazido informações sobre a morte violenta de burros nas Feteiras, sem que até agora se tenha descoberto e castigado devidamente os autores dos mesmos.

A propósito do ocorrido nas Feteiras, lembrei-me de Alice Moderno que há cento e dois anos denunciou, no seu jornal “A Folha”, um tal “Joaquim São Pedro, nome que está em perfeita antítese com as ações que pratica, por ter “barbaramente esfaqueado um animal da raça asinina”, na freguesia do Faial da Terra.

Face ao exposto, conclui-se que os maus tratos a burros não começaram hoje. Com efeito são tradição antiga que, tal como todas as outras que desrespeitam animais e humanos, deve ser banida quanto antes.

Mas os maus tratos de que são alvo os burros não acontecem só por cá. Com efeito, recebemos de uma familiar que reside no Canadá um conjunto de materiais relacionados com a proteção àqueles animais, entre os quais um bonito calendário para 2018, editado pelo “The Donkey Sanctuary of Canadá”.

Através dos materiais recebidos ficamos a saber que aquela organização, sem fins lucrativos, possui um espaço com cerca de 2900 alqueires de terra onde, desde 1992, proporciona um local seguro para burros resgatados que foram negligenciados, abusados ou que os seus proprietários já não podiam cuidar mais deles.

A organização que tem como objetivo reduzir o sofrimento dos burros, vítimas de negligência e maus tratos, e melhorar a sua vida através de interações positivas humanos-burros, permite visitas do público apenas um dia por semana e organiza eventos para famílias com a possibilidade de refeições com comida local, entretenimento e interações com os burros.

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 31275, 11 de julho de 2017, p.16)
http://www.thedonkeysanctuary.ca/

3.7.17

A propósito de um poema de Victor Cruz (Pai)


A propósito de um poema de Victor Cruz (Pai)

No dia 3 de fevereiro de 1972, o jornal Correio dos Açores publicou um poema de Victor Cruz (Pai) intitulado “Angra, a divina – Na “linha” da fraternidade” que, pelo seu interesse e atualidade, pelo menos no que diz respeito a touros e touradas, a seguir transcrevemos:
Siga a locomotiva a resfolgar,
Nunca faltará lenha p’ra caldeira,
Num mais que justo anseio de empurra,
Todas as regalias p’ra Terceira!

Nixom e Pompidou ao aterrar,
Projectam Angra à cúpula cimeira!...
Nobre e sempre leal, vai comandar
As outras Ilhas, à sua maneira …

Todas lhe pagarão o tributo
(Se os valores que alegam, não são lérias)
San Miguel dará leite e criptomérias …

Angra, em coche real, fuma charuto!
E p’ra cumulo de tantas regalias:
Tourada vai haver todos os dias!...

O crescimento do número de touradas nos últimos anos confirma a previsão de Victor Cruz. Com efeito, no início do século passado o número de touradas era muito menor do que o atual como se pode ler no seguinte extrato publicado no jornal “Primeiro de Maio”, do dia 6 de setembro de 1902: “No meu tempo, eram consideradas clássicas três touradas: São João de Deus, Serreta e Terra Chã. Depois a pretexto d’isto e daquilo, anunciava-se uma tourada à corda; mais tarde a política tanto esticou a corda, que esta trouxe o bravo até ao centro da cidade.”

Sobre a ligação das touradas às festividades religiosas, que nem sempre existiu, o mesmo autor escreveu: “…Depois veio a festa da Senhora de Lourdes, nos Altares, …etc. etc. de modo a que cada Senhora arranjou a sua festa e o bom povo da localidade, como complemento e suplemento, a iluminação da véspera, a respetiva ladainha, e, na segunda-feira a competente tourada. E assim ficou subentendido que à festa religiosa se devia aliar …a dos touros, e o povo que pagava as primeiras, impôs-se, e as segundas vieram, como parte obrigatória, a despeito de muitos ralhos de algum prior refratário à inovação de se misturar o sagrado com o profano.”

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 31209, 4 de julho de 2017, p.16)

29.6.17

No a las corridas de toros para niños. No a los apoyos públicos a la tauromaquia.



Queridos amigos,

Os pedimos vuestro apoyo para esta petición contra una corrida de toros para niños que se celebrará el día 29 de junio en las islas Azores, Portugal. La firma en la plataforma Change sólo os ocupará unos pocos segundos. Adjuntamos a continuación el enlace y el texto de la petición traducido al español.

Muchas gracias a todos

Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores


Petición:
https://www.change.org/p/presidente-do-governo-regional-dos-a%C3%A7ores-n%C3%A3o-%C3%A0s-touradas-para-crian%C3%A7as-n%C3%A3o-aos-apoios-p%C3%BAblicos-para-a-tauromaquia



No a las corridas de toros para niños. No a los apoyos públicos a la tauromaquia.

Ex. Sras/es,

Considerando que las prácticas tauromáquicas son una expresión de insensibilidad y violencia que deseduca y en nada dignifica a la humanidad, siendo que estudios recientes comprueban que los niños y adultos que asisten a las prácticas tauromáquicas desarrollan tendencias de agresividad y violencia;

Considerando que la presencia de niños y adolescentes como participantes o simples espectadores en las corridas de toros es contraria a la recomendación, de 2014, del Comité de los Derechos del Niño de la ONU, que pide que se aleje a los niños de la tauromaquia y que, entre otras medidas, recomienda también la promoción de campañas de información sobre “la violencia física y mental asociada a la tauromaquia y su impacto en los niños”;

Considerando el contexto socioeconómico del país y de la región, que a través de los recortes en educación, en apoyo social, en sanidad, en empleo y salarios, en transportes, en vivienda, en una cultura educativa, ha contribuido para la degradación de la calidad de vida de los ciudadanos, siendo muchas las familias y personas que perdieron el empleo y los apoyos sociales y que tienen dificultades para cumplir el pago de todos los gastos necesarios para vivir con dignidad;

Considerando que el ejecutivo municipal de Angra do Heroísmo apoya con 100 mil euros la Feria Taurina integrada en las Sanjoaninas, que incluye en su programa el día 26 de junio una espera de ganado para niños y el día 28 un espectáculo para niños y ancianos;

Al mismo tiempo que repudiamos el despilfarro de dinero público y la falta de respeto por los derechos del niño, solicitamos que sean tomadas medidas para que estos espectáculos violentos, donde se abusa y tortura animales, no se vuelvan a repetir.



Esta petición se entregará a:
Vasco Cordeiro, Presidente do Governo Regional dos Açores
Comissão Nacional de Proteção das Crianças e Jovens em Risco
Instituto de apoio à criança
Comité Português para a UNICEF
Office of the High Commissioner for Human Rights
Committee on the Rights of the Child (CRC)
Cogrupo sobre os Direitos das Crianças da Amnistia Internacional Portugal

19.6.17

Luís Leitão, Pestalozzi e os animais


Luís Leitão, Pestalozzi e os animais

No texto de hoje, volto a recorrer à Revista Pedagógica, criada e dirigida por Maria Evelina de Sousa, no século passado, e a um dos colaboradores daquela publicação, Luís Leitão que no nº 241, de 28 de novembro de 1912, deu a conhecer aos leitores o texto “Animais e Crianças”.

No seu texto, Luís Leitão, depois de referir que em Siracusa um mestre-escola havia defendido que a melhor forma de “adoçar o caracter das crianças duras e grosseiras “ seria através do “despertar nelas o apreço pelos animais”, afirmou o seguinte: “Que beleza não era para todos nós se cada professor primário destinasse uma hora de cada semana para falar com os seus discípulos em assuntos que os prendessem com os animais em geral”.

Esta sugestão de solicitar aos professores alguns minutos semanais para uma sensibilização para a defesa dos direitos dos animais foi uma das primeiras medidas da Sociedade Micaelense Protetora dos Animais de Alice Moderno e de Maria Evelina de Sousa.

No texto que vimos referindo, Luis Leitão menciona o nome de Johann Heinrich Pestalozzi (1746 - 1827), um pedagogo e educador nascido na Suíça, que segundo alguns autores antecipou algumas conceções que surgiram mais tarde, no final do século XIX e inicio do século XX, com o Movimento da Escola Nova.

Pestalozzi, que era “o mais alto espírito de quantos se têm dedicado a estudar a alma das crianças”, segundo Luís Leitão, defendeu “que era preciso desenvolver nas crianças, desde a idade mais tenra a bondade e a compaixão para com os animais, porque é com eles que a criança está mais em contato. Tornado adulto, acrescenta o grande pedagogo, exercerá para com os seus semelhantes os mesmos sentimentos que tiver cultivado para com os seres inferiores”.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 31257, 20 de junho de 2017, p. 11)

12.6.17

Reclus e os animais



Reclus e os animais

O meu interesse em conhecer melhor as várias correntes da pedagogia e as várias publicações que ao longo dos tempos as divulgaram fez com que esteja a ler a “Revista Pedagógica”, criada e dirigida por Maria Evelina de Sousa, que se publicou no início do século passado.

Através de um texto, de Luís Leitão, intitulado “Nós perante os animais”, publicado no número 298, de 24 de setembro de 1915, tomei conhecimento de alguns pensamentos do famoso geógrafo anarquista francês Jean Jacques Élisée Reclus (1830-1905) sobre os animais e o seu relacionamento com os humanos.

De acordo com Luís Leitão, Reclus terá afirmado que “o homem recebeu da ave essa prenda inestimável que é a noção da beleza e mais ainda a da criação poética” e acrescentado: “ Como poderia ele esquecer a calhandra que se lança no espaço infinito soltando gritos de júbilo ou o rouxinol que durante as noites silenciosas enche o bosque com as modulações ardentes ou melancólicas do seu canto?”

A leitura de um texto de Reclus intitulado “A grande família” merece uma reflexão, pois apesar dos progressos materiais alcançados pelas sociedades modernas, se queremos ser mais humanos devemos aprender com os bons exemplos do passado e das culturas que muitas vezes consideramos inferiores. Sobre este assunto Reclus escreveu: “Enquanto em relação aos animais, nós falamos hoje em dia de educação ou domesticação no sentido de escravidão, o primitivo pensava fraternalmente na associação. Ele viu nestes seres companheiros, e não servos, e de facto as criaturas – cães, pássaros, serpentes –, vinham de encontro a ele em caso de perigo comum, especialmente em tempos de tempestade ou inundação.”

Reclus, no texto referido, também se debruça sobre a domesticação dos animais, escrevendo que aquela “atesta também em muitos aspetos uma genuína deterioração moral, pois, longe de melhorar os animais, nós os enfeiamos, vilipendiamos e corrompemos “ e acrescenta o seguinte: “Mesmo quando domesticaram os animais sob as melhores condições, eles diminuíram sua força de resistência à doença, sua capacidade de adaptação a novos meios, fazendo deles seres artificiais, incapazes de viver espontaneamente na natureza livre.”

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 31252, 13 de junho de 2017, p.12)